Histórico do Projeto

Cogitada desde a década de 1960 para fazer a conexão entre ilha e continente, a Ponte Salvador – Ilha de Itaparica foi, por muitas vezes, pauta de discussão, mas nenhuma iniciativa foi colocada em prática. Faltava, até agora, o compromisso de executar um projeto complexo, de grande porte e que beneficiará significativamente diversas regiões do Estado.

 

Ainda em 1967, no Plano Diretor do Complexo Industrial de Aratu – CIA, o arquiteto Sérgio Bernardes propôs uma ponte para conectar Salvador e a Ilha de Itaparica, formando o anel viário.

 

Ao colocar a Ponte como prioridade, sem desconhecer seus impactos no desenvolvimento urbano, social e econômico, além da preocupação com o meio ambiente, o Governo do Estado deu o primeiro passo para concretizar o sonho de tantos baianos.

Em 2010, o Governo anunciou um PMI – Processo de Manifestação de Interesse para que empresas interessadas realizassem estudos de viabilidade técnica, ambiental, econômico-financeira e jurídica, a fim de estruturar um anteprojeto de construção e concessão da Ponte Salvador–Ilha de Itaparica e todo o sistema viário acessório.

Os interessados entregaram os estudos preliminares em 2011, dando início à fase de avaliação por parte de uma equipe técnica do Governo, formada por especialistas de diversas Secretarias.

O ano seguinte foi dedicado à análise e aprofundamento destes dados, assim como definição de como conduzir os próximos passos. A partir daí, o Governo do Estado, por meio da Secretaria de Planejamento – Seplan, contratou uma consultoria de gestão com vasta experiência em grandes projetos de infraestrutura e desenvolvimento urbano em diversas cidades no mundo, para auxiliar o Governo na estruturação do projeto.

As atribuições da consultoria contratada englobam: realização da modelagem econômico-financeira da concessão, criação de plano de desenvolvimento regional, coordenação integrada dos estudos técnicos, estruturação da gestão do projeto e elaboração da governança para implementação. Tudo isso objetivando otimização dos investimentos de recurso público e do benefício para a sociedade, sempre sob a coordenação do Poder Executivo.

Com a finalidade de articular, desenvolver e executar ações para implantação do Projeto, o Governo do Estado instituiu um Comitê Executivo e um Grupo de Trabalho Executivo ainda no início de 2013. O Comitê Executivo criado é formado pelo seu coordenador, o Secretário de Planejamento, e também pelos Secretários da Casa Civil, Fazenda, Infraestrutura, Desenvolvimento Urbano e também o presidente da Agência de Fomento do Estado da Bahia (DESENBAHIA). Já o Grupo de Trabalho Executivo (GTE) é formado por um representante das Secretarias do Planejamento, Casa Civil, Fazenda, Infraestrutura, Desenvolvimento Urbano e também um representante da DESENBAHIA.

Diversos estudos já foram licitados, e atualmente o estudo de impacto ambiental e as sondagens do fundo da Baía de Todos os Santos já se encontram em andamento. Estão previstos ainda estudos de engenharia/projeto básico, hidráulica marítima, estudo de impactos culturais e imateriais e ainda estudos urbanísticos para a Ilha de Itaparica.

Uma vez lançado o edital e assinado o contrato, as obras devem ser concluídas no prazo entre 48 e 60 meses.